Sónia Moreira

Widget Image
Widget Image

Como médica e mãe criei este espaço de partilha de informação e de experiências. Ora mais formal, com referências bibliográficas científicas fidedignas para manter os interessados sobre o tema o mais atualizados possível. Ora mais informal, mostrando o lado mais humano dos médicos e pondo a descoberto alguma da experiência que tenho adquirido nestas “areias movediças” que são a Maternidade.

Os protagonistas deste blog são o Pedro, o Pai e o Pirata, rafeiro que adotamos em Junho de 2015 sob o olhar atento desta Mãe/ Esposa/ Médica. Leiam, coloquem dúvidas e partilhem, prometo escrever sobre os mais variados temas que despertam naqueles que convivem com mais “Pedros”, “Pais” e “Piratas”.

Um dia mais mãe, outro dia mais médica!
Image Alt

Atividades promotoras do desenvolvimento infantil: para Pais, Educadores e Profissionais de Saúde

 

A criança é um ser em desenvolvimento motor, cognitivo, emocional e social. O desenvolvimento psicomotor é um processo dinâmico e contínuo, sendo constante a ordem de aparecimento das diferentes funções. Contudo, a velocidade de passagem de um estádio a outro varia de uma criança para outra e, consequentemente, a idade de aparecimento de novas aquisições também difere.

O desenvolvimento das capacidades, faculdades e talentos de uma criança depende de inúmeros fatores, entre os quais a qualidade da habitação, o ambiente familiar, os amigos, a escola, a personalidade, o grau de saúde e de nutrição e, igualmente, as oportunidades que lhe foram dadas e as que ela própria procurar.

Na consulta de Saúde Infantil e Juvenil realizada nos cuidados de saúde primários nas diferentes idades chave de acompanhamento (através do médico e enfermeiro de família) e/ou pediatra são avaliados, entre outros, parâmetros do desenvolvimento psicomotor não mensuráveis como os de crescimento físico. E esse é, sem dúvida um grande desafio para qualquer profissional de saúde que acompanhe crianças. E é bem mais do que avaliar, como frequentemente se valoriza entre a população “ao ano anda e aos dois fala”. As inúmeras fases que antecedem estes grandes marcos de desenvolvimento e outros posteriores podem ser avaliados informalmente na consulta (ao colo dos pais ou a brincar) e durante a conversa com os pais/ cuidadores. Adicionalmente, e de maneira mais formal, é avaliado o desenvolvimento com recurso a escalas qualitativas, nomeadamente a de Avaliação do Desenvolvimento de Mary Sheridan Modificada endereçada a crianças com idades compreendidas dos 1 – 12 meses e 18 meses – 5 anos..

O certo é que cada vez mais vejo cuidadores preocupados com alguns marcos do desenvolvimento, sobretudo quando conhecem crianças que já os atingiram em idades mais precoces. NÓS ADULTOS SOMOS ÚNICOS, E AS CRIANÇAS NÃO SÃO EXCEÇÃO. Nem todas as crianças chegam à mesma idade no mesmo estádio de desenvolvimento. Há uma ampla variação de normalidade.

 

Por isso, olhem para o vosso filho como ser único que é, sem pressões para atingir esta ou aquela “habilidade” só porque o/a filho(a) da vossa amiga já atingiu e é mais novo.

 

Em contrapartida, por vezes a consulta de saúde infantil e juvenil é “ingrata”, pois em 20-30 minutos é “exigido” aos profissionais de saúde a avaliação de competências do desenvolvimento que para os pais são “Whooooooo”. E são mesmo! São pequenas vitórias dos vossos filhos! E à medida que a periodicidade das consultas de saúde infantil e juvenil vai aumentando parece que 20-30 minutos é mesmo pouco tempo!

Na verdade, o ambiente que rodeia a criança (através da família e na creche ou infantário) é onde as crianças passam a maior parte do tempo. E é também aí que a criança se expressa mais à vontade. Aliás, quantas das vezes questiono na consulta “Então, sabes dizer-me como te chamas” e do outro lado…. NADA. Reformulo a questão mais tarde e… NADA. Ora bem, vamos lá ver se sabes as cores… e do outro lado… NADA. E depois olhamos para os pais aos pulos na cadeira a dizer “Ela/ ele sabe”, “Vá diz!”. Como mãe, percebo completamente esta seletividade de “habilidades”! Saem da consulta e trás, fazem tudo, até o pino se for preciso e até cantarolam a palavra “esternocleidomastoideo”.

Por isso, tendo consciência do escasso tempo que há para falar sobre tudo o que pode estar associado a uma consulta de saúde infantil decidi criar este artigo para ajudar pais, familiares e educadores a estimular o desenvolvimento infantil adequado a cada idade dos 0- 5 anos.

Para cada idade, e à luz das recomendações do programa de Saúde Infantil e Juvenil da DGS, deixo-vos as várias atividades promotoras de desenvolvimento adequadas a cada idade para imprimirem, consultarem, dar ao pais, avós, cuidadores. Mas sem dúvida alguma, a melhor “atividade promotora do desenvolvimento” que podem oferecer a qualquer criança é TEMPO. Tempo sem pressas! Tempo em família, carregado de muitos mimos, amor e muita brincadeira!

Confira os pdf abaixo:

Acham útil? Dêem-me a vossa opinião para continuar a escrever.

Obrigada por me lerem e seguirem. Partilhem e subscrevam o site!

Beijinhos

Sónia Moreira

 

Ps.: Obrigada Sandra Veríssimo por me teres ajudado a escrever os textos! 🙂

 

 

Referências bibliográficas:

  • Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil, Direção Geral de Saúde, de 31-05-2013

 

 

Comentários

  • Goreti Carvalho
    30 Janeiro, 2019

    Olá! Acho a informação extremamente útil! Uma sugestão, seria que os PDF estivessem todos juntos, quase como se fossem um livro. Continuação de boas partilhas 😊

    Responder

Escrever comentário