Sónia Moreira

Widget Image
Widget Image

Como médica e mãe criei este espaço de partilha de informação e de experiências. Ora mais formal, com referências bibliográficas científicas fidedignas para manter os interessados sobre o tema o mais atualizados possível. Ora mais informal, mostrando o lado mais humano dos médicos e pondo a descoberto alguma da experiência que tenho adquirido nestas “areias movediças” que são a Maternidade.

Os protagonistas deste blog são o Pedro, o Pai e o Pirata, rafeiro que adotamos em Junho de 2015 sob o olhar atento desta Mãe/ Esposa/ Médica. Leiam, coloquem dúvidas e partilhem, prometo escrever sobre os mais variados temas que despertam naqueles que convivem com mais “Pedros”, “Pais” e “Piratas”.

UM DIA MAIS MÃE, OUTRO DIA MAIS MÉDICA!
Image Alt

Obrigada a todos os enfermeiros

 

 

 

Dizem que hoje é Dia Internacional do Enfermeiro e o Tema deste ano é “Saúde é um direito Humano“. O Concelho Internacional dos Enfermeiros alerta para o facto da saúde ainda não chegar a todos e os enfermeiros terem um papel muito importante para aumentar o acesso aos cuidados (1).

Há sempre um enfermeiro(a) na nossa vida, certo? Nunca é demais relembrá-lo(a) e agradecer-lhe. Trabalho com muitos e vejo todos os dias o que se esfalfam para dar resposta a tudo o que lhes é exigido. Fazem, na maioria das vezes e, como outros profissionais, muito mais do que aquilo que lhes compete. Na minha unidade temos 5 enfermeiras que se complementam umas às outras e os demais elementos da equipa. O que mais lhes “gabo” é a cooperação. Não podia desejar melhor para a equipa onde trabalho. Nos Cuidados de Saúde Primários é preciso ter muita capacidade de comunicação e, cada uma à sua maneira, faz imensa educação para a saúde. Trabalho ingrato na minha opinião! Não há forma de “medir” o sucesso das inúmeras intervenções que fazem. E, por isso, muitas as vezes ficam na “sombra”. Mas aquela qualidade que me faz “tirar-lhes o chapéu” é a criatividade. Quando lá vem uma data comemorativa importante na área da saúde demonstram uma imaginação inigualável.

Os dias não são todos iguais com elas.

No Carnaval tivemos arcos com coroas que compraram para “alegrar” os utentes. (Raios, acho que só usei aquilo nos “bastidores” da unidade). Mas elas lá andavam a alegrar a equipa e a roubar sorrisos aos utentes. Vale a pena trabalhar com equipas assim.

Os “malandros dos utentes” confessam-lhes tudo e pedem, não tão raramente,Não conte à Dra“. Às vezes questiono se acham que estou no meu gabinete de chicote na mão a prestar “castigos” por terem comido presunto ou queijo da serra no fim de semana. É deste tipo de relação utente- enfermeiro que lhes invejo, a enorme confiança que lhes depositam.

Na perspectiva de utente, até ficar grávida, nunca precisei muito dos seus “serviços”. Vá, uma administração ou outra da vacina da gripe, da vacina do tétano ou de penicilina para tratar as malditas amigdalites! Quando fiquei grávida, reconheci-lhes muito mais a sua verdadeira “participação” na vida dos utentes. Muito mais do que dar aquela “pica” amarga que todos têm na memória. No centro de saúde, no hospital, nas clínicas, nos laboratórios esclarecem todas aquelas dúvidas em que nunca pensamos antes de passarmos por elas. Explicam tudo, dão panfletos para lermos com calma em casa e, no fim rematam sempre com um sorriso e disponibilização de ajuda sempre que precisarmos. Tudo com muita paciência.

 

Genericamente, com a certeza que me estou a esquecer de muitas coisas, eis uma lista do que tenho “mais verde” na memória:

  • Foi uma enfermeira que me deu as aulas de preparação para a parentalidade no centro de saúde.
  • Foi uma enfermeira que me recebeu no hospital quando entrei em trabalho de parto.
  • Foi uma enfermeira que me fez o parto.
  • Foram as enfermeiras que me ajudaram na amamentação quando parecia que ia ser impossível.
  • Foram as enfermeiras do internamento que me deram aquele reforço positivo na amamentação.
  • Foram as enfermeiras que me ajudaram no 1º levante após o Pedro ter nascido.
  • Foi uma enfermeira que deu o 1º banho ao Pedrinho.
  • Foi a minha enfermeira de família que foi fazer o teste do “pezinho” ao Pedrinho no conforto da minha casa, poucos dias após ter nascido.
  • É a minha enfermeira de família que tem administrado as vacinas ao meu Pedrinho e me tem ajudado a lidar com aquele choro que nos “parte o coração”.

Há muito mais para além desta lista, só quem lida com elas(es) todos os dias ou já precisou muito delas(es) é que sabe!

 

Por isso, hoje “Dia Internacional do Enfermeiro” vamos agradecer-lhes independentemente do local ou serviço onde trabalham. É merecido neste dia e em todos os restantes do ano!

 

 

Referências bibliográficas:

(1) http://www.jornalenfermeiro.pt/actualidade/item/1882-direito-a-saude-marca-dia-internacional-do-enfermeiro-2018.html acesso a 07 de Maio de 2018

 

Comentários

O seu comentário...