Sónia Moreira

Widget Image
Widget Image

Como médica e mãe criei este espaço de partilha de informação e de experiências. Ora mais formal, com referências bibliográficas científicas fidedignas para manter os interessados sobre o tema o mais atualizados possível. Ora mais informal, mostrando o lado mais humano dos médicos e pondo a descoberto alguma da experiência que tenho adquirido nestas “areias movediças” que são a Maternidade.

Os protagonistas deste blog são o Pedro, o Pai e o Pirata, rafeiro que adotamos em Junho de 2015 sob o olhar atento desta Mãe/ Esposa/ Médica. Leiam, coloquem dúvidas e partilhem, prometo escrever sobre os mais variados temas que despertam naqueles que convivem com mais “Pedros”, “Pais” e “Piratas”.

UM DIA MAIS MÃE, OUTRO DIA MAIS MÉDICA!
Image Alt

Quando passear com o recém nascido?

Esta é uma questão que já me inquietou há muito tempo e julgo pode ser importante para os recém papás: quando passear com o recém nascido pela primeira vez?

Saímos da maternidade, após (no mínimo) duas/ três noites numa cama de hospital (que não é parecida com a nossa), sem dormir ou sem dormir bem, ainda a tentar perceber como é que tudo funciona: amamentação/ aleitamento, mudar fraldas, vestir/ despir, lidar com o cordão umbilical, dar banho… O nosso cérebro fica transformado em PAPA. Que quando estamos a chegar ao 3º dia de internamento só temos na cabeça a ecoar a palavra: ALTA, ALTA, IR PARA CASA, IR PARA CASA! Três dias transformam-se perfeitamente na sensação de que passou uma semana. Saímos da maternidade assoberbadas de sacos: com a mala de maternidade e o que mais acumulámos nesses 3 dias (que mais parecem mesmo semanas). Carregamos numa cadeira de transporte o nosso mais que tudo, aquele ser indefeso, que ainda há dias acabamos de conhecer. Caminhámos com calma, afinal de contas tivemos um parto normal/ cesariana e sejamos “novas” ou “velhas” não fomos ali ter um filho e já voltamos. A recuperação demora, certo?

 

Sentimos o ar puro e sol a bater-nos no rosto e o cheirinho a hospital dilui-se. Dá lugar ao cheiro da nossa casa… E HIBERNÁMOS! Enfiámos-nos num CASULO, com o nosso bebé, com as nossas “hormonas aos saltos”, os “baby blues” e o pai desorientado a tentar orientar-se (ele próprio), à mãe e ao filho.

 

Após alguns dias, naquela ROTINA CÍCLICA (amamentar, mudar fralda, pôr a dormir) a repetir-se de 2-2h, de 3-3h ou de forma mais otimista de 4/4h… Eis que surge a vontade de sair de casa. E se esta preocupação à maioria dos leitores parece algo simples… Para uma recém mamã é algo GIGANTE. É seguro? Onde devo ir? O que devo levar? ( esta deixo para outras “núpcias”!!!).

Vou tentar escrutinar os aspectos a ter em consideração nesta tomada de decisão, de forma a diminuir a ansiedade dos pais/ cuidadores.

Particularidades do recém nascido a ter em consideração:

  • É saudável? Tem alguma doença conhecida?
  • É prematuro?
  • O sistema imunitário do recém nascido ainda está em desenvolvimento

 

Na verdade, não existe nenhuma recomendação “oficial” da melhor idade para sair de casa com um recém-nascido. É consensual entre os especialistas que o primeiro passeio se possa proporcionar entre o 1º e 2º mês de vida. É nesta altura que completa vacinas importantes do Plano Nacional de Vacinação.

Podemos até ter um recém-nascido em casa muito protegido e evitar sair com ele no 1º mês de vida… Mas se em contrapartida alguém que o visite em casa estiver doente (com febre, tosse, etc.) corremos o risco que esta “superproteção” contra ambientes externos possa ir por água abaixo, certo? Portanto, “sair ou não sair”, “quando sair” é um assunto relativo.

Por isso, considero que mais importante do que “quando sair” é saber “para onde sair”.

 

Agora que já tomou a decisão de sair de casa pela primeira vez com o recém nascido… Que precauções ter?

  • Adequar o nº de peças de vestuário à temperatura ambiente. A tendência dos pais/ cuidadores é sobreaquecer a criança com inúmeras peças de roupa. Se estiver calor deve optar por roupas leves. No caso de ser frio, regra geral, é aconselhado usar uma peça a mais que o adulto mais friorento da casa.
  • Não expor diretamente ao sol.
  • Evitar locais fechados com aglomerados de pessoas: cafés, restaurantes, centros comerciais…
  • Evitar locais onde esteja em contato com pessoas doentes.
  • Preferir locais ao ar livre.
  • Preferir locais mais tranquilos.
  • Começar primeiro com passeios curtos e, com o tempo, pode aumentar a sua duração.

 

Nós nos passadiços de Melgaço num passeio muito agradável

 

Se apesar de todos estes cuidados/ conselhos, os pais/ cuidadores se sentem inseguros para sair com o bebé ainda tão pequeno e frágil, mas estão a chegar aquele ponto… “Preciso de sair de casa senão expludo“.

Atenção, não quero pais à beira de um ataque de nervos!

Os “baby blues” precisam de ar fresco…

Deixem um biberão de leite materno ou o leite habitual da criança… Entreguem o vosso tesouro aos aclamados “pais com açúcar”. Deixem que os mimem um pouco! Será vantajoso para vocês (pais), filhos e para os “Avós” que são a salvação dos netos e dos pais dos nossos dias”! E saiam de casa: juntos, com amigos, sozinhos. Quando se está a chegar a “esse ponto” basta mudar de cenário e ganhámos um ânimo novo e enchê-mo-nos de energia para voltar à rotina cíclica. Essa rotina fluirá tão melhor que irão surpreender-se.

E independentemente da decisão que tomarem, façam ouvidos moucos às opiniões alheias. Haverá sempre alguém que não irá achar bem: seja porque acham que saíram muito cedo, seja porque acham que saíram muito tarde. Se tiverem dúvidas/ receios partilhem-nas com o vosso médico de família/ pediatra/ médico assistente. E gozem muito os passeios e o vosso(s) bebé(s).

Por esse lado quando começaram a dar os primeiros passeios? Partilhem a vossa experiência, pode ser importante para outros pais/ cuidadores.

Obrigado por me lerem e seguirem.

 

Referências bibliográficas:

https://www.webmd.com/parenting/baby/features/can-i-take-my-newborn-outside, acesso a 12 de Agosto de 2018

https://kidshealth.org/en/parents/newborn-out.html, acesso a 12 de Agosto de 2018

Comentários

  • Odete madureira
    12 Agosto, 2018

    Plenamente de acordo, muitos parabens pelo o artigo😁😁😁

    Responder

O seu comentário...