Sónia Moreira

Widget Image
Widget Image

Como médica e mãe criei este espaço de partilha de informação e de experiências. Ora mais formal, com referências bibliográficas científicas fidedignas para manter os interessados sobre o tema o mais atualizados possível. Ora mais informal, mostrando o lado mais humano dos médicos e pondo a descoberto alguma da experiência que tenho adquirido nestas “areias movediças” que são a Maternidade.

Os protagonistas deste blog são o Pedro, o Pai e o Pirata, rafeiro que adotamos em Junho de 2015 sob o olhar atento desta Mãe/ Esposa/ Médica. Leiam, coloquem dúvidas e partilhem, prometo escrever sobre os mais variados temas que despertam naqueles que convivem com mais “Pedros”, “Pais” e “Piratas”.

UM DIA MAIS MÃE, OUTRO DIA MAIS MÉDICA!
Image Alt

Férias com crianças não são férias!

Este é um artigo dedicado aos chamados “pais de 1ª viagem” (como eu!) e que em breve vão de férias pela primeira vez. Este é um artigo para os pais que estão convencidos que vão ficar de papo para o ar a bronzear-se na praia ou a babar-se todos refastelados numa cadeira debaixo de um guarda sol algures num sítio digno de descanso. Este é mais um daqueles “avisos” que fazemos ouvidos moucos! Antes de ir de férias pela 1ª vez com crianças temos uma ínfima esperança que connosco seja diferente porque somos deveras especiais.

Convenhamos… Sejamos realistas. Mesmo que tenham os filhos mais obedientes, mais sossegados do mundo nenhum pai num cenário de férias/ diversão consegue ficar totalmente descansado a apanhar banhos de sol, enquanto há todo um sem fim de perigos à espreita.

Esta história começa toda com a preparação da mala. São roupas, cadeiras, carrinhos, baldes de praia, pás, brinquedos… Sei lá! A casa às costas. Sou péssima na seleção do que realmente é importante. Sou daquelas que prefere levar a mais do que a menos. Resultado: SÓ TRANSPORTO TRALHA. Com a quantidade de tralha que levamos delineio logo na minha cabeça um final de férias trabalhoso. Na ida dobramos camisolas e toalhas com “réguas”, com vincos e no fim rezamos para que tudo caiba amarfanhado numa mala que parece que mingou de tamanho. Depois algures na viagem longa para o Algarve descobrimos que não levamos algo extremamente importante que nos escapou. Pode ser um brinquedo, água do mar para lavar o nariz, aquele calção azul que combina com a outra camisola… E remoemos no que nos esquecemos as férias todas. Lamentámos alto várias vezes o quão era importante ter trazido aquela bola para o Pedrinho brincar. Quando provavelmente se a levássemos nem daríamos conta da sua falta! Identificam-se?

Depois até entramos no ritmo, no dito “piloto automático” demora o seu tempo. Para nós (pais) e para eles (filhos). Se o destino escolhido inclui praia temos que preparar tudo antes de sair de casa e carregar mais tralha: guarda sol, barraquinha, toalhas, baldes de areia, pás… E “carregar” o próprio Pedrinho que não é propriamente leve.  Já pesa chumbo, caraças!

E no meio desta correria, que é toda novidade para nós temos que ser muito rápidos, pois em breve terá sono!

Pé descalço na areia! Super atentos à sua reação… Será que gosta? Será que vai encolher as pernas e pés? Será que vai querer “provar” a areia?

ADOROU. Palavras para quê?

Por mais que queiramos não é possível assumir o controle dos nossos filhos na areia. Vá, podemos minimizar a quantidade de areia que engolem, mas vão engolir de certeza. E sobretudo numa altura em que começou a andar há pouco tempo… Vai querer treinar a nova habilidade neste novo terreno. Irá cair um sem (: p) número de vezes: de bruços, de costas, de rabo… Umas vezes terá tempo de se proteger na queda e outras cairá de qualquer forma. Não podemos estar sempre lá para aparar. Não. Mas também não faz mal. A areia até serve de amortecedor, não é assim?

E depois vem a água do mar! Como reagirá? Irá gostar como no banho? Mas a água do mar é gelada (mesmo a do Algarve). Primeiro tentamos os pés, joelhos, coxas e, quando damos conta já está o nosso baby boy a chapinhar numa poça/ mini piscina todo feliz. E nós (pais) deliciados com esta GIGANTE experiência, a “perder” horas de descanso de papo para o ar na toalha da praia.

Bem. Já experimentou a areia… Já experimentou a água do mar… Vamos para a toalha. É nesta parte que as nossas expetativas saem completamente defraudadas.  Damos a conhecer duas experiências novas: areia e mar e esperamos que fiquem sentados na toalha a olhar para a beleza infinita da praia. E aqui começam as ditas cujas férias tão ansiadas dos pais.

Corremos atrás do miúdo. Mas afinal de contas ele só sabia andar. Mas…. Mas agora já corre? C’UM DIABO! E quando por instantes parece que está sentado na areia a usufruir de um mini descanso… Nós respiramos de alívio e sentámos-nos na toalha da praia novamente. Mas espera… O que estará a meter à boca? Mais areia e areia. Tentamos interromper esse instinto com outra distração qualquer… que o faz “esquecer” da areia (difícil, pois estamos rodeados dela) até à próxima tentativa de levar areia e mais areia para a boca.

Entretanto, deve ter sede… Damos água! Temos em consideração todos os cuidados a ter com o sol (pode ter acesso neste link). Hora de pôr mais protetor, mesmo antes das 2h, não vá o diabo tecê-las! Protetor + areia e temos um filho transformado num croquete! Entretanto, pode ter fome… Damos comida!

Entretanto, começa a ficar muito rabugento… Deve ser sono. Arrumamos a tralha toda, agora mais espalhada na areia ao nosso redor e vamos a correr para casa. Dorme uma sonequinha. Quando acorda… Parece que as pilhas estão completamente recarregadas e nós (pais) já a meio da nossas.

Jogámos à bola um sem número (: p) de vezes! Corremos para a frente da piscina usando o nosso corpo como barreira física para não se tentar atirar para lá outro sem número (: p) de vezes.

 

Lá vem o sono outra vez. Aproveitámos a sesta do Pedrinho e também usufruirmos do verdadeiro descanso dos justos. Pode durar 1h ou 2h! A praia cansa… Ter filhos também… Praia + filhos é uma soma maior do que a soma isolada das partes, disso não tenham dúvidas!

O Pedrinho acorda com a “pica” toda!E vamos nós novamente para a praia aproveitar o final de tarde, com o sol e calor francamente mais brandos! (Sim, evitamos sempre as horas de maior calor, tal como recomendado no artigo “Proteção solar nas crianças – o que deve saber!“). Lembram-se dos parágrafos anteriores… da areia… da água… do Pedrinho a correr…. a cair… a encher-se de areia… a comer areia… E tudo se repete, mas todos os dias a uma velocidade bem mais rápida. Adaptação à praia? Isso só foi no primeiro dia.

Regressamos a casa… cansados. Entre banhos, jantar, muita brincadeira, muita bola, muita música… É verdade, admito: esticámos a hora de deitar do baby boy, afinal estamos de férias, não é?

E no final do dia, com o “pingo de gente” a descansar, esticamos as pernas completamente refastelados no sofá. Muitas das vezes até mais cansados que num dia normal de trabalho… Afinal de contas… Quem disse que “férias com crianças eram férias?”

Após uma semana nesta azáfama, quando finalmente estamos completamente adaptados a esta nova rotina de férias… lá temos que amarfanhar tudo nas nossas malas pequenas… E apesar destas primeiras férias “não serem férias” (e das próximas também) levámos uma bagagem ENORME: muitos sorrisos, muitas reações novas, muitas aprendizagens. E é isto que nos enche o coração! É isto que nos “hipnotiza” quando ainda (sem filhos) olhamos para uma praia cheia de crianças a construir castelos de areia ao som das suas gargalhadas felizes!

Quem se identifica por esse lado?

Obrigada por nos acompanharem nesta grande APRENDIZAGEM que é a maternidade! Boas férias!

Subscrevam a newsletter e sigam-me nas redes socias!

Comentários

  • Odete madureira
    6 Agosto, 2018

    Ja estou a imaginar o que me espera😁😁😁

    Responder
  • Cristina
    6 Agosto, 2018

    Quando os meus eram pequeninos até me sentia de novo criança. As férias eram a melhor parte. Aturá-los fechados em casa ou depois de um dia extremamente cansativo de trabalho é bem mais complicado, A ideia é relaxar… se estão um bocado sujos paciência! O banho à noite compõe tudo eheh. Um beijo.

    Responder
  • Carina
    6 Agosto, 2018

    E quando eles não dormem na areia? Da mais velha era eu a olhar para os outros bebés a dormirem com os pais ao lado e a minha nada. Agora vou ver como vai correr com esta, mas até já tenho medo. 🙂

    Responder
  • Sofia Leão
    8 Agosto, 2018

    Nem imagina o que é passar férias com Gemeas nessa idades com reações completamente diferentes 😘😘

    Responder
  • Paula
    30 Agosto, 2018

    Olá boa tarde
    Sou aPaula e sou mamã de 3 pestes: Mateus 5 anos, David 9 anos e Pedro 13 anos…
    Como eu me revejo no que escreveu e como a compreendo…
    Não vou dizer que é fácil, encare como uma aventura, não é impossível…
    Imagine 2 prematuros extremos:27 e 29 semanas, carradas e carradas de vírus com nomes que mal sei pronunciar, um dos quais com Aspergem…

    Responder

O seu comentário...