Sónia Moreira

Widget Image
Widget Image

Como médica e mãe criei este espaço de partilha de informação e de experiências. Ora mais formal, com referências bibliográficas científicas fidedignas para manter os interessados sobre o tema o mais atualizados possível. Ora mais informal, mostrando o lado mais humano dos médicos e pondo a descoberto alguma da experiência que tenho adquirido nestas “areias movediças” que são a Maternidade.

Os protagonistas deste blog são o Pedro, o Pai e o Pirata, rafeiro que adotamos em Junho de 2015 sob o olhar atento desta Mãe/ Esposa/ Médica. Leiam, coloquem dúvidas e partilhem, prometo escrever sobre os mais variados temas que despertam naqueles que convivem com mais “Pedros”, “Pais” e “Piratas”.

UM DIA MAIS MÃE, OUTRO DIA MAIS MÉDICA!
Image Alt

O meu primeiro Dia da Mãe

No próximo dia 6 de Maio é dia da Mãe.

Quando me lembro deste dia não consigo deixar de pensar na minha avó Sara, que já partiu ou da minha avó Lucinda. E sinto-me minúscula ao pé delas. SOBREVIVERAM a essa tamanha exigência que é a maternidade com vários filhos. É verdade, os tempos eram outros, mas não havia internet para pesquisarem, não havia blogs para lerem, não havia certamente tempo para “pensarem” no que eram, no que faziam e para onde iam. Há! Podemos sempre dizer “uns criavam-se aos outros“. Sim, é verdade… Os mais velhos eram sacrificados, aliás a minha mãe (filha mais velha) foi um caso desses. E isso deu-lhe muito “traquejo” para cumprir a “função” de mãe. Por isso, quando penso em mim própria a “desempenhar” tamanha função sinto-me pequena. E por isso tenho-lhes o maior respeito do mundo. Agora compreendo as sábias palavras pronunciadas diversas vezes “Quando fores mãe vais perceber“. E, curiosamente, desde que fui mãe “roubei” essa expressão e passei a usá-la na consulta com os adolescentes. Quando os pais estão de cabelos em pé a “queixarem-se” do “revoltado/a”, do “refugiado/a” no quarto que só quer saber dos “amigos(as)”, da televisão e do computador lá me sai um “Quando fores pai ou mãe vais compreender a preocupação deles“. E OBVIAMENTE encolhem os ombros, franzem a sobrancelha e faz-se um silêncio. Nesta fase entra por um ouvido e sai pelo outro, entra a 100 e sai a 200!!! E sinto-me…Sei lá: Velha!!

Neste 1º dia da mãe, não vou dizer nada que outras mães não tenham sentido. Aliás, revejo-me em muitos textos que tenho lido sobre a maternidade. Não sou mais nem menos do que as outras. Somos todas excelentes porque fazemos o MELHOR que podemos e que sabemos pelos nosso filhos. Sou ainda muito “caloira” nestas andanças. Uma mãe cheia de preocupações e MEDOS.

O que aprendi neste 1º ano da maternidade (sim, o Pedro também está quase a fazer 1 ano)?

  1. Gerir melhor o meu tempo
  2. Lidar melhor com a imprevisibilidade (TUDO é imprevisível na maternidade, e é o que mais me aborrece)
  3. Ter mais paciência (não vale a pena ter pressa, sai-nos o tiro pela culatra)
  4. A confiar mais no meu instinto em vez das opiniões alheias
  5. Compreender melhor as mães/ pais/ cuidadores com quem lido
  6. Lidar com a privação de sono (quem me conhece sabe que adoro dormir e isto, para mim, é muito difícil de gerir)
  7. Relativizar (deixei de dar tanta importância a coisas supérfluas, porque só me fazem perder tempo)
  8. Ser MELHOR MÉDICA
  9. Ser MELHOR FILHA
  10. Ser MELHOR PESSOA

Ainda tenho muitas coisas a melhorar, mas ainda tenho uma vida toda pela frente para o fazer, certo?

Alguém comigo neste 1º dia da mãe? O que acrescentariam nesta lista de aprendizagens?

FELIZ DIA DA MÃE para todos, um especial para aqueles que, não sendo de sangue desempenham esse papel na perfeição! Ninguém faria melhor esse “trabalho” do que vocês.

 

O seu comentário...